Submarino

domingo, 23 de julho de 2017

Mudanças

Demorei um pouco para realizar aqui uma nova postagem, pois estava em meio a uma mudança, e é sobre isso que resolvi escrever: mudança. Algumas são mais simples, como trocar os móveis de lugar, outra mais complexas, como mudar de casa, mas algumas mudanças mexem com nossa estrutura emocional, nossa vida como um todo. 

Quando mexemos em uma estrutura formada, por mais fraca que seja esta estrutura, a mudança influencia nossa vida, nos causa sempre um pouco de insegurança, de incerteza. Mas a verdade é que precisamos encarar algumas reviravoltas em nossa vida quando precisamos melhorar, quando precisamos nos sentir melhor. 

Eu deixei para trás uma vida incerta e que me magoou muito, e estou recomeçando. Há sempre um pouco de receio, alguma preocupação, mas o primeiro passo é aceitar e entender que para sair de um lugar ou situação ruim, é preciso se mexer, se mover. É preciso partir do começo novamente, cuidando para não repetir os mesmos erros. 

Esta mudança de situação tem me feito pensar também nas demais coisas, como o trabalho: quanta coisa poderia ser melhor em nossa vida se deixássemos de lado a preocupação excessiva com status, com a ganância e com a opinião alheia. Não é necessário assumir o posto máximo em uma empresa para ser feliz. Não é necessário ganhar muito para termos o que realmente importa. Não vale a pena expor os filhos e a família a situações controladas pela empresa apenas para manter a função dentro dela. 

Precisamos nos preocupar mais com nosso bem estar emocional, deixando de lado o dinheiro e o status. Precisamos parar de pensar que dar tudo que nossos filhos querem é o mesmo que lhes dar atenção, porque não é. Precisamos viver, porque a vida vale a pena. Precisamos parar de pensar que ambição é algo positivo, porque não é. 

Precisamos de coragem para mudar, para deixar de fazer o que nos faz mal, para largar velhos hábitos. Vamos mudar, mas vamos procurar mudar para melhor. Vamos, acima de tudo, viver.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Um Novo Nome Para uma Velha História

A Reforma Trabalhista está às portas, e o fim de algumas poucas e boas vantagens do trabalhador também. Vemos e ouvimos que o Governo está aprovando tudo isso porque está "preocupado" com os trabalhadores. Mas como um Governo comprado e mantido por empresários pode estar preocupado com trabalhadores?

Hoje, para tirarmos férias - algo que é um direito nosso - já temos que brigar muito para conseguir! O tempo que passamos trabalhando para garantirmos nossas férias chama-se período aquisitivo. Trabalhamos um ano para termos direito a esses trinta dias e, mesmo assim, é preciso brigar quando chega o tempo de descansarmos. 

O chefe já escolhe quando nos dar férias, e na maioria das vezes ainda nos força a vender alguns dias, como se não tivéssemos família ou vida particular, e agora ainda será possível dividir o período de férias em TRÊS! Vão nos fazer vender quinze dias e nos darão três períodos de cinco dias cada, durante o ano, no tempo que for melhor para a empresa. Essa "negociação" com a gerência nós já sabemos como funciona: O chefe nos impõe sua vontade e pressão, e faz com que aceitemos suas propostas, seja por medo ou não, pois somos peças descartáveis na máquina empresarial.

É assim que a banda toca. Nos dedicamos anos e anos em um trabalho, e quando mais precisamos é preciso convencer meio mundo a  nos dar algo que - por direito -  já é nosso. E agora, com a reforma, vai ficar ainda pior.

Bira - FENASPS

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Exorcismo

Subsídio Doutrinal nº 9 - "Exorcismos: Reflexões Teológicas e Orientações Pastorais". Este é o título de um documento publicado recentemente pela CNBB - Comissão Nacional dos Bispos do Brasil. O documento é um material breve, conciso e embasado teologicamente afirmando a existência do demônio e sua ação neste mundo, e pede que os bispos escolham um exorcista para cada Diocese.

Ficou assustado? Acredito que não. Pouca gente fica assustada ao ouvir falar do Diabo, pois a moral dele anda muito baixa... Hoje a maioria dos seres humanos se consideram tão inteligentes e independentes que duvidam até da existência de Deus, imagine se alguém acreditará ainda na existência do Diabo! O mundo está cheio de ateus ou agnósticos. Somos "esclarecidos" demais para acreditar que haja um ser que influencie e incentive nossas maldades.

Por que a Igreja Católica resolveu publicar um documento assim em pleno século XXI? Talvez tenham pensado melhor a respeito de tantos problemas que o mundo continua enfrentando. Apesar de nossa suposta "iluminação", ainda há guerras, ainda há muita fome, ainda há desprezo, ambição, orgulho e maldade no coração humano. O ser humano é mal por natureza, mas isso não dispensa a existência do mal personificado.

Em tantos anos de existência humana, já deveríamos ter aprendido a conviver em paz e ajudar o próximo, mas estamos longe disso. A corrupção e o ódio dominam a mente dos poderosos e para que o mal seja feito, não precisa muita influência do Diabo, basta apenas um "empurrãozinho"...

(imagem: Diocese de Jales)

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Temer na Noruega - Dane-se a Amazônia, eu só quero os lucros!

Michel Temer está na Noruega, onde tinha ontem seu primeiro compromisso: debater a questão ambiental. A Noruega já investiu nos últimos sete anos mais de 3 bilhões de reais para a preservação da Amazônia. O Brasil, ao contrário, não se importa com suas próprias florestas, pois o desmatamento cresceu 58% em 2016. O presidente Temer é aliado da bancada ruralista - essa classe de seres humanos idiotas que acham que dinheiro vale mais que a natureza - e por isso não faz muita coisa para preservar a mata nativa, pois se o fizer, acertará em cheio seus "amiguinhos" ruralistas.

A Noruega demonstrou grande insatisfação com essas notícias, e ameaçou suspender a parceria na proteção da Amazônia. Temer, em vez de tentar ao menos justificar-se, fez o que faz de melhor: ignorou o assunto "ambiental" e concentrou-se apenas em falar sobre o setor privado, tentando buscar investimentos no setor produtivo brasileiro. "O Brasil, digo sem medo de errar, está deixando para trás uma severa crise de sua história". Falácias e mais falácias...

Como um chefe de estado vai à Noruega para falar sobre a questão ambiental e ignora o meio-ambiente? Fico envergonhado ao saber que um país nórdico distante investe tanto na preservação de NOSSAS florestas, enquanto NOSSO PRÓPRIO GOVERNO ignora o desmatamento crescente, demonstrando total descaso com uma das maores riquezas desta nação. Mas assim funciona o capitalismo e o setor privado: o que importa é apenas o lucro.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Trump e suas "revisões"

Novamente o presidente americano resolveu "revisar" acordos comerciais. O alvo agora é Cuba, e como Trump não sabe fazer nada de bom, resolveu estragar o que Obama fez. Em um pronunciamento em Miami, afirmou que a Casa Branca vai reverter parte da abertura nas relações com Cuba, cancelando alguns acordos e retomando algumas restrições contra a ilha de Castro.

Durante o discurso, o presidente chegou a afirmar que os americanos não se calarão diante da opressão comunista... Em que ano esse maluco acha que está? Alguém da Casa Branca, por favor, dê um calendário pra ele! A Guerra fria acabou!

Tanta coisa pra consertar internamente, e Trump prefere estragar o que Obama fez, e alfinetar países que ele considera como ameaças. Ele poderia muito bem utilizar seu tempo para reformar política e economicamente seu país, ou até mesmo pagar suas dívidas pessoais, que - de acordo com um relatório de 98 páginas divulgado pelo Escritório de Ética Governamental dos EUA - chegam a 315 milhões de dólares para credores alemães, americanos e de outras nacionalidades...

sábado, 17 de junho de 2017

José e Liso

Um grupo de 33 leões foram recolhidos de picadeiros e jaulas na Colômbia e Peru e levados ao Santuário de Emoya - uma reserva privada no norte da África do Sul - para que pudessem voltar a ter uma vida normal na selva. Eles já haviam sofrido maus tratos nos circos, e a reintegração era a esperança para esses pobres leões.

Entre eles estavam José e Liso, dois leões de circo. José sofria com sequelas por ter apanhado na cabeça, e estava recebendo um tratamento específico, foi construído um ambiente especial para ele em Emoya. Liso era um leão tranquilo e amigável.

Infelizmente, José e Liso foram roubados do Santuário em Emoya, por caçadores que matam leões por encomenda de sacerdotes, pois a cabeça, patas e pele dos animais são utilizadas em rituais na África. Os pobres animais foram decapitados e tiveram sua pele retirada. A polícia ambiental local está investigando o caso.

Eu pergunto: quem são os animais? Quem são os seres irracionais? Malditos seres humanos que não percebem que são um acidente da natureza. Não passamos de outra espécie qualquer que - por acaso - tem se alastrado como um câncer pelo planeta, acreditando em nossa ignorância e egoísmo que valemos mais que os outros animais.

O fim da humanidade chegará, porque a natureza sabe controlar espécies que se alastram demais e prejudicam outros animais. O fim da humanidade chegará por sua própria culpa. Tudo a seu tempo.

José e Liso. Foto: Animal Defenders International

terça-feira, 13 de junho de 2017

Livros que me fazem bem - Plantão da Noite

Estou lendo novamente este romance de Irwin Shaw. Não sei explicar o que me atrai neste livro com cara de romance barato de banca, mas é uma história que me faz sentir bem.

Não sei se é Douglas Grimmes com suas preocupações e desilusões, não sei se é Miles Fabian com sua facilidade de se integrar ao mundo, não sei se são os belos locais europeus visitados ou mesmo o simpático senhor italiano Quadrocelli com sua risada.
 
É a história de alguém que saiu do nada, e - mesmo cometendo um erro - venceu. A história de alguém em quem a vida bateu, alguém que perdeu suas asas, seus sonhos. Talvez o tubo de papelão com dinheiro encontrado no hotel tenha sido não um roubo, mas um presente do destino. Douglas Grimmes mereceu este presente.

E os quadros pintados por Ângelo Quinn retratando as andanças de seu pai? Mesmo não conhecendo os locais e não vendo as pinturas, fico impressionado com a beleza e melancolia descritas na tela. São livros assim que nos prendem, livros simples, histórias simples, mas que tem algo de familiar.

De tempos em tempos preciso ler Plantão da Noite. E há também outros livros e filmes que preciso rever de vez em quando, mas tratarei deles futuramente aqui.

Abaixo, Sag Harbor, onde Douglas vai morar com Evelyn numa casinha a beira-mar após resolver voltar para os EUA.