Submarino

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Temer na Noruega - Dane-se a Amazônia, eu só quero os lucros!

Michel Temer está na Noruega, onde tinha ontem seu primeiro compromisso: debater a questão ambiental. A Noruega já investiu nos últimos sete anos mais de 3 bilhões de reais para a preservação da Amazônia. O Brasil, ao contrário, não se importa com suas próprias florestas, pois o desmatamento cresceu 58% em 2016. O presidente Temer é aliado da bancada ruralista - essa classe de seres humanos idiotas que acham que dinheiro vale mais que a natureza - e por isso não faz muita coisa para preservar a mata nativa, pois se o fizer, acertará em cheio seus "amiguinhos" ruralistas.

A Noruega demonstrou grande insatisfação com essas notícias, e ameaçou suspender a parceria na proteção da Amazônia. Temer, em vez de tentar ao menos justificar-se, fez o que faz de melhor: ignorou o assunto "ambiental" e concentrou-se apenas em falar sobre o setor privado, tentando buscar investimentos no setor produtivo brasileiro. "O Brasil, digo sem medo de errar, está deixando para trás uma severa crise de sua história". Falácias e mais falácias...

Como um chefe de estado vai à Noruega para falar sobre a questão ambiental e ignora o meio-ambiente? Fico envergonhado ao saber que um país nórdico distante investe tanto na preservação de NOSSAS florestas, enquanto NOSSO PRÓPRIO GOVERNO ignora o desmatamento crescente, demonstrando total descaso com uma das maores riquezas desta nação. Mas assim funciona o capitalismo e o setor privado: o que importa é apenas o lucro.

terça-feira, 20 de junho de 2017

Trump e suas "revisões"

Novamente o presidente americano resolveu "revisar" acordos comerciais. O alvo agora é Cuba, e como Trump não sabe fazer nada de bom, resolveu estragar o que Obama fez. Em um pronunciamento em Miami, afirmou que a Casa Branca vai reverter parte da abertura nas relações com Cuba, cancelando alguns acordos e retomando algumas restrições contra a ilha de Castro.

Durante o discurso, o presidente chegou a afirmar que os americanos não se calarão diante da opressão comunista... Em que ano esse maluco acha que está? Alguém da Casa Branca, por favor, dê um calendário pra ele! A Guerra fria acabou!

Tanta coisa pra consertar internamente, e Trump prefere estragar o que Obama fez, e alfinetar países que ele considera como ameaças. Ele poderia muito bem utilizar seu tempo para reformar política e economicamente seu país, ou até mesmo pagar suas dívidas pessoais, que - de acordo com um relatório de 98 páginas divulgado pelo Escritório de Ética Governamental dos EUA - chegam a 315 milhões de dólares para credores alemães, americanos e de outras nacionalidades...

sábado, 17 de junho de 2017

José e Liso

Um grupo de 33 leões foram recolhidos de picadeiros e jaulas na Colômbia e Peru e levados ao Santuário de Emoya - uma reserva privada no norte da África do Sul - para que pudessem voltar a ter uma vida normal na selva. Eles já haviam sofrido maus tratos nos circos, e a reintegração era a esperança para esses pobres leões.

Entre eles estavam José e Liso, dois leões de circo. José sofria com sequelas por ter apanhado na cabeça, e estava recebendo um tratamento específico, foi construído um ambiente especial para ele em Emoya. Liso era um leão tranquilo e amigável.

Infelizmente, José e Liso foram roubados do Santuário em Emoya, por caçadores que matam leões por encomenda de sacerdotes, pois a cabeça, patas e pele dos animais são utilizadas em rituais na África. Os pobres animais foram decapitados e tiveram sua pele retirada. A polícia ambiental local está investigando o caso.

Eu pergunto: quem são os animais? Quem são os seres irracionais? Malditos seres humanos que não percebem que são um acidente da natureza. Não passamos de outra espécie qualquer que - por acaso - tem se alastrado como um câncer pelo planeta, acreditando em nossa ignorância e egoísmo que valemos mais que os outros animais.

O fim da humanidade chegará, porque a natureza sabe controlar espécies que se alastram demais e prejudicam outros animais. O fim da humanidade chegará por sua própria culpa. Tudo a seu tempo.

José e Liso. Foto: Animal Defenders International

terça-feira, 13 de junho de 2017

Livros que me fazem bem - Plantão da Noite

Estou lendo novamente este romance de Irwin Shaw. Não sei explicar o que me atrai neste livro com cara de romance barato de banca, mas é uma história que me faz sentir bem.

Não sei se é Douglas Grimmes com suas preocupações e desilusões, não sei se é Miles Fabian com sua facilidade de se integrar ao mundo, não sei se são os belos locais europeus visitados ou mesmo o simpático senhor italiano Quadrocelli com sua risada.
 
É a história de alguém que saiu do nada, e - mesmo cometendo um erro - venceu. A história de alguém em quem a vida bateu, alguém que perdeu suas asas, seus sonhos. Talvez o tubo de papelão com dinheiro encontrado no hotel tenha sido não um roubo, mas um presente do destino. Douglas Grimmes mereceu este presente.

E os quadros pintados por Ângelo Quinn retratando as andanças de seu pai? Mesmo não conhecendo os locais e não vendo as pinturas, fico impressionado com a beleza e melancolia descritas na tela. São livros assim que nos prendem, livros simples, histórias simples, mas que tem algo de familiar.

De tempos em tempos preciso ler Plantão da Noite. E há também outros livros e filmes que preciso rever de vez em quando, mas tratarei deles futuramente aqui.

Abaixo, Sag Harbor, onde Douglas vai morar com Evelyn numa casinha a beira-mar após resolver voltar para os EUA.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Preconceito

Nos dias atuais fala-se tanto em luta contra o preconceito, luta contra o racismo, contra a falta de tolerância. Em todos os lugares vemos manifestações e protestos contra a homofobia, a mídia tenta fazer com que possamos aprender a valorizar as diferenças, as raças, as cores, as escolhas sexuais. Até alunos preguiçosos não podem mais ser chamados de preguiçosos... agora são portadores de déficit de atenção ou hiperatividade...
Mas há um tipo de preconceito que não está sendo combatido em lugar nenhum e, ao contrário, está sendo incentivado nas empresas, nos bancos, nas lojas, nas igrejas. Sim, até nas igrejas: é o preconceito que diz respeito ao poder aquisitivo, à classe social, ao lado financeiro do ser humano.

Exemplo? Se você é um trabalhador e tem uma simples conta salário num banco, sem limite de cheque especial, sem grandes investimentos, e vai ao banco pedir um favor que está "fora do cardápio" do atendimento, não recebe este favor. mas se você tem uma conta recheada, com algum investimento ou aplicação na casa dos milhares, você pode sentar na frente do atendente e esquecer-se da vida e de quem está esperando a vez. Pode contar de sua vida, do seu cachorro, dos seus planos, da sua fazenda, da sua chácara, da sua mulher, da sua vontade de morar fora do país, pode pedir ao atendente que vá ao caixa por você pagar suas contas enquanto você fica ocupando a mesa e tomando café, que ninguém vai reclamar... porque você é VIP.

Seu saldo manda. Seu extrato impressiona. E esta é a orientação em todo lugar. O tratamento recebido por um rico em uma loja é diferente do tratamento dispensado a um pobre. O pastor na igreja trata melhor quem vai dar um dízimo "mais gordo". ISSO É PRECONCEITO. Mas é um preconceito incentivado no mundo capitalista onde vivemos. Mesmo que você não concorde, será forçado a isso se você trabalha em alguma instituição com clientes "importantes". 

Tanta gente boa e sem dinheiro. Tanta gente interessante e sem recursos. E tantos idiotas com um saldo bancário impressionante, sendo valorizados pelo que tem na carteira. Triste realidade.

"ALGUMAS PESSOAS SÃO TÃO POBRES QUE NÃO TÊM NADA ALÉM DE DINHEIRO".

domingo, 4 de junho de 2017

Relações de Trabalho

Há várias coisas, vários fatores atualmente, que tem me deixado confuso com relação às relações de trabalho. Quero citar aqui alguns deles:

- O empregador desonesto que se aproveita da necessidade do empregado para negar-lhe alguns de seus direitos;

- O empregador gente boa e honesto, que por ser bom demais acaba lesado por alguns de seus funcionários;

- O funcionário responsável, que sofre juntamente com o irresponsável porque o empregador não distingue um do outro;

- O funcionário irresponsável que prejudica a equipe toda por sua falta de interesse.

A culpa não está na lei trabalhista, nem mesmo na reforma que está sendo feita. O problema, como sempre, é o ser humano, que sempre quer tirar vantagem da situação em que está. Protecionismo nas empresas, ameaças, chantagens. Pessoas consideradas competentes apenas porque tem amigos influentes. Pessoas responsáveis que não crescem profissionalmente porque não estão dispostas a puxar o saco de ninguém ou puxar o tapete dos outros. Funcionários que não admitem que o chefe cobre suas tarefas. Chefes incompetentes que não enxergam a competência dos seus subordinados. Pessoas que não aguentam a pressão. Todos esses fatores tornam um ambiente de trabalho insuportável, prejudicando o bom funcionamento de uma empresa.

E ainda existem pessoas que querem que consideremos a empresa nossa "segunda família". Por favor, vamos ser mais realistas. Não existe interesse comum ou preocupação com os outros nas empresas. Devemos trabalhar honestamente e com competência, mas não devemos alimentar ilusões. Como já dizia um sábio provérbio: "O pássaro deve confiar nas asas, e não no galho onde senta".

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Luis Estêvão, cidadão comum

Questionado pelo jornalista Roberto Cabrini sobre sua situação na cela, na prisão de segurança máxima onde está preso, Luís Estêvão afirmou: "Sou um preso comum, como os demais".

Preso comum? Com macarrão importado e chocolate amargo, cafeteira e outras regalias? Cidadão comum com ferraris enfeitando o jardim de sua casa? Cidadão comum com um jato particular valendo dois milhões de dólares? 

A coragem e hipocrisia desses políticos me assustam. E também assusta a incompetência do diretor da prisão, que ao ser questionado sobre as regalias de Luís Estêvão, disse não saber de nada e que investigações estavam sendo feitas... 

Esse é o Brasil que cada dia menos pessoas acreditam que vai mudar.